Araquari cresce 1.000% em 7 anos

Por Jaqueline Ronsani
13/12/2018 13:12

O PIB da cidade segue ano após ano, em ascensão. Enquanto muitos municípios enfrentam as dificuldades de crescimento, reflexo ainda da crise pela qual passou o país, Araquari continua apresentando bons números.

Em 2009, o PIB era de R$ 329 milhões, em 2010 aumentou para R$ 532 milhões, em 2011 atingiu R$ 690 milhões, em 2012, o PIB chegou a mais de R$ 832 milhões, em 2013 subiu para R$ 1 bilhão, em 2014 seguiu para mais de R$ 1,6 bilhões. Em 2015, o PIB da cidade alcançou R$ 2,7 bilhões, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Já em 2016, fechou em R$ 3 bilhões. Um aumento de 2009 para 2016 de 1.000% (mil por cento). 
 
“Nossa expectativa para esse ano é superar os números do ano anterior”, comenta o prefeito, Clenilton Carlos Pereira. E afirma que é possível, devido os investimentos que continuam sendo realizados na cidade. 

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Edson Manoel Pereira, também afirma que o município segue em desenvolvimento, sendo procurado constantemente por empresários interessados em iniciar sua empresa na terra do maracujá. 

“Nós seguimos em contato com empresas que possuem grande interesse em trazer suas produções para Araquari. Apenas em 2017 recebemos 549 novas empresas, entre grandes, médias, pequenas, Micro Empreendedores Individuais (MEI) e mesmo, autônomos que ajudam a impulsionar a economia e geram emprego e renda. E até julho deste ano, já somamos mais 350 empresas”, comenta.


Outro índice que ganhou destaque em Araquari foi o repasse de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), feito pelo Estado. De acordo com dados publicados pelo Portal das Transferências Constitucionais, o retorno do tributo era R$ 4,2 milhões em 2009.

 Em 2010, passou para R$ 5,2 milhões. Em 2011 foi para R$ 6,3 milhões. No ano de 2012, a cidade atingiu R$ 7,6 milhões em arrecadação de ICMS. Já em 2013, a arrecadação subiu para R$ 10 milhões. No ano seguinte, o ICMS repassado pelo Estado para a cidade chegou a R$ 12,9 milhões.  

Em 2015 foi para R$ 15,3 milhões. Em 2016, o repasse foi de R$ 19,4 milhões. Em 2017, a cidade recebeu R$ 26,8 milhões em ICMS. E esse ano, até o mês de julho, o repasse já foi de R$ 21,2 milhões.  Para 2019, a estimativa de repasse divulgada pelo Governo do Estado é de R$ 11 milhões a mais. De 2009 até 2017, o repasse de ICMS para Araquari cresceu 600%. 

Mas, os bons números não param por aí. Teve crescimento também na abertura de vagas de emprego. Segundo dados divulgados pelo Cadastro Nacional de Empresas (SIDRA –IBGE), em 2009, Araquari possuía 5.432 pessoas ocupadas, ou seja, 34,32% em relação ao total da população com idade superior a 15 anos. 

Em 2010 eram 7.118 pessoas empregadas, sendo 40,09% da população. Já em 2011, o número de pessoas ocupadas subiu para 9.339, atingindo 50,46% da população. E em 2012 foi para 10.022 pessoas, chegando a 52,11% da população. Não foram encontrados dados de 2013 a 2015, mas, no ano de 2016, os números registravam 11.088 pessoas empregadas.

Neste ano, como apontam os dados disponibilizados pelo Ministério do Trabalho, grande parte dos trabalhadores atuavam em indústrias de transformações, chegando a 5.175 pessoas, nesta área.  Estando também, o maior número de pessoas empregadas na faixa etária dos 30 aos 39 anos, atingindo 3.415 pessoas. 

Em 2017, foram contratadas e se mantiveram no emprego mais 568 pessoas.  Atingindo um total de 13,2 mil trabalhadores com carteira assinada na cidade. De janeiro a junho de 2018 foram empregadas e se mantiveram no emprego mais 608 pessoas. 

“Constantemente, o Sine da cidade anuncia novas vagas de emprego ofertadas no município. Hoje, um de nossos obstáculos é a qualificação profissional de nossa população, mas, é algo que já estamos pensando. Já temos instituições de cursos técnicos e profissionalizantes no município como o Senai e a Assessoritec, temos o Instituto Federal Catarinense instalado na cidade  e agora conseguimos também trazer o curso superior por meio da Aupex”, relata o secretário. 

Araquari foi pelo 5º ano consecutivo, a cidade com maior crescimento no Estado e não para de receber investidores que trazem para o município, emprego e renda e, contribuem com o seu desenvolvimento, como a Taf, que atua com caixas de medição, proteção, distribução e itens de saneamento. A empresa é a maior fabricante de caixas em material polimérico do país, atingindo 100% do mercado nacional. Vinda de Joinville e atuando em Araquari, a menos de um ano, a Taf já tem perspectiva de ampliação. 

“Nós estamos operando com força total em Araquari. E escolhemos a cidade porque fomos bem acolhidos aqui. Atualmente, contamos com 250 colaboradores e já temos o projeto do segundo prédio a ser construído, que vai triplicar nossa logística. Uma área de mais 8 mil metros quadrados, onde também pretendemos  contratar mais 100 pessoas no próximo ano, podendo chegar  até  400 colaboradores”, informa Fernando Ferreira de Carvalho, diretor industrial da Taf.
Outra empresa que também escolheu a cidade para desenvolver seu trabalho e segue com boas perspectivas de ampliação do espaço e de entrada no mercado é a Tegma. A empresa atua com logística automobilística há 5 anos em Araquari e, atualmente tem um dos maiores pátios do Brasil, com uma área de 200 mil metros quadrados. 

A Tegma faz o transporte de veículos 0 km e trabalha pra várias montadoras e, uma delas é a BMW. Com a vinda da montadora para Araquari, a Tegma também fez a sua transferência para a cidade do maracujá para prestar o serviço que vem fornecendo a empresa há mais de 20 anos. “A gente recebe toda a produção da BMW, faz toda a logística do pátio e faz o embarque final. Agora, com esse novo projeto da GM, estamos atendendo a GM também”, conta Wagner Roger Cunha, coordenador na Tegma. 

A empresa tem uma rotatividade diária de até 300 carros, no pátio. São 4 pátios, que atendem em média 15 mil carros e, apenas em um dos espaços, a capacidade é para 8.400 veículos. Além da estrutura já existente, segundo Wagner, a Tegma tem a intenção de ampliar o espaço para atender uma demanda ainda maior do mercado. “Atualmente nós empregamos também 138 colaboradores, sendo que 70% são de Araquari. Nossa ideia é aproveitar a mão de obra local e gerar emprego e renda dentro da cidade”, diz o coordenador. 


 

Download das fotos em alta resolução
Carregando