Carinho e cuidado – Araquari castra mais de mil animais

Entre os bichanos estão animais de rua e de tutores de baixa renda
Por Jaqueline Ronsani
01/11/2018 10:32

Eles são de diferentes pelagens e podem ser um amigo para a vida toda. Alguns latem outros miam, mas, tanto os cães como os gatos recebem o mesmo atendimento no Centro de Castração e Identificação de Animais de Araquari (CCIA), que já atingiu mais de mil animais castrados, desde que o Centro iniciou as atividades, em 2015. 

O CCIA é mantido pela Prefeitura, em uma parceria entre a Fundação Municipal do Meio Ambiente (Fundema) que fornece todos os materiais necessários para o atendimento dos animais, quando o assunto é castração e chipagem e, também pela Secretaria de Agricultura e Pesca que auxilia com o serviço veterinário. 

“As castrações são realizadas três vezes por semana e o Centro consegue atender por dia, uma média de quatro animais”, informa o presidente da Fundema, Cromácio José da Rosa. 

O Centro passou a funcionar, após a lei ser implantado no município: 2917/2014. O projeto vem em benefício, principalmente, dos animais de rua de Araquari e dispõe sobre o controle da reprodução de cães e gatos na cidade. Atualmente, não há registros do número de animais abandonados em Araquari, assim, não é possível afirmar se são números altos, mas, o desejo é cuidar dos bichinhos que já estão por aí. 

“O governo está fazendo sua parte. Nós estamos seguindo com o investimento no Centro de Castração, contudo, é necessário que a sociedade faça a parte dela. Sabemos que constantemente os animais são abandonados na cidade e o abandono de animais é crime. Quando você compra ou adota um animal tem que ter a consciência que ele é seu dependente. A adoção precisa ser feita por amor ao bichinho. Você tem que ter a consciência que vai ter que cuidar dele e atender suas necessidades. Abandonar um animal além de ser um ato cruel é crime”, diz o presidente. 

Abandono de animais é crime instituído pela lei federal 9.605/98 – dos Crimes Ambientais. O artigo 32 prevê o crime e estipula a pena de detenção de três meses a um ano e multa para quem praticar o ato. E quem presenciar a atitude, pode denunciar diretamente na Polícia Ambiental: (47) 3481-2121.
 
O projeto de lei surgiu com o objetivo de controle dos animais de rua. Contudo, a castração também acaba sendo um ato de carinho, cuidado e amor. “Essa atitude contribui para que seu pet tenha uma vida mais saudável e ainda, ajuda a salvar a vida de muitos outros animais que não possuem a mesma oportunidade de ter um lar e receber os cuidados que precisam”, comenta o secretário de Agricultura, Nelson Silveira. 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), só no Brasil existem mais de 30 milhões de animais abandonados, sendo 10 milhões de gatos e os outros 20 milhões de cães. Os dados levantados também vão além e mostram que em cidades grandes, para cada cinco habitantes há um cachorro, sendo que 10% deles estão abandonados. 

As informações ainda ressaltam que a cada casal de cães que deixam de receber a castração, tem a capacidade de gerar 80 mil descendentes em apenas 10 anos. Já no caso dos gatos, o número pode atingir 70 mil filhotes. 

“A castração também traz outras vantagens, como a redução do risco de doenças nas vias uterinas e órgãos genitais”, comenta Nelson. 

Com ela vem também, o fim do risco de fugas e brigas e a diminuição dos latidos, uivos e miados excessivos que ocorrem por ocasião do cio. E o procedimento, ainda pode eliminar a gravidez psicológica, comum em algumas fêmeas, após o término do cio. O que ocasiona o aumento das mamas, a produção de leite e irritabilidade em excesso. 

Entre os animais castrados pelo CCIA, 46 foram levados por um casal e uma voluntária da Barra do Itapocu que recolhem os bichanos na rua ou de tutores que não possuem condições de locomoção e transporte, e trazem ao Centro de Castração. Outro voluntário também levou sozinho mais 38 animais e, um quarto voluntário, levou ao CCIA mais 58 animais. Somando um total de 142 animais que chegaram ao Centro de Castração, por meio de pessoas que se dedicam a causa. 

Um problema constante, levantado pelo presidente da Fundema, são as faltas, após o agendamento do procedimento. “Como não podemos atender todos os animais de uma vez, os que possuem tutores ficam em uma fila de espera e nós realizamos o agendamento. Contudo, mesmo com o contato feito lembrando o agendamento, registramos esse ano, 41 faltantes. São 41 procedimentos que deixaram de ser feitos em animais de tutores que realmente tinham interesse”, diz Cromácio. 

Quanto aos animais de rua: appós o processo de castração, enquanto aguardam o pós-operatório, os amigos peludos ficam a disposição para a adoção da comunidade. Quem adotar um bichinho castrado, ainda pode ter direito ao desconto no Imposto sobre Propriedade Predial (IPTU), conforme informa a lei.
 
Saiba quem pode adotar e ter descontos no IPTU
Qualquer pessoa que atenda os pré-requisitos pode adotar um animal. 
 
Conheça os pré-requisitos
 
O contribuinte deverá atender os requisitos abaixo:
- Estar em dia com o IPTU.
- Ter a casa murada, cercada e portões fechados.
- Ter condições financeiras de custear a alimentação dos animais que estejam sob sua tutela.
- O contribuinte será responsabilizado, na forma da lei, por todo dano sofrido ao animal.
- Deverá encaminhar o animal para tratamento veterinário quando se fizer necessário.
- Permitir aos órgãos de fiscalização ou conveniados, a visitação à residência para acompanhar o desenvolvimento do animal.
- Informar qualquer alteração que houver na relação com o tutelado, seja por mudança de residência, óbito, doença, desaparecimento ou outros eventos possíveis. 
 
Saiba como são os descontos
 
Após a adoção do animal no Centro de Castração, o novo tutor é encaminhado para o setor de Tributação, da Prefeitura que realizará os procedimentos. 
Os descontos serão progressivos e na ordem descrita abaixo, de acordo com o decreto de nº 94/2014.
 
De 10% para adoção de um animal que permaneça com o tutor em perfeitas condições de saúde e domiciliado. De 20% para adoção de dois ou mais animais que permaneçam com o tutor em perfeitas condições de saúde e domiciliado e de até 50% para animais que permaneçam com o tutor por mais de 5 anos e que gozem de perfeita saúde e vacinação em dia. 
 
O projeto também prevê a castração e identificação dos animais que possuem tutores de baixa renda. Para isso, é necessário fazer a inscrição no (CCIA), contudo, estes não terão o desconto no IPTU. O objetivo é ter um controle sobre a população dos bichinhos que possam fugir e também devolvê-lo para o seu lar, se ele for encontrado pelas ruas. 
 
O presidente da Fundema ainda lembra que quem encontrar um animal de rua e quiser participar do projeto levando este bichinho até o CCIA para os procedimentos, basta entrar em contato por telefone para fazer o agendamento. “Nós estamos dando prioridade para esses animais”, diz. 
 
Informações podem ser obtidas no Centro de Castração e Identificação Animal que está localizado na Rua Bom Jesus, 111 – no Centro, ou pelo telefone: (47) 8489 3921

Maus tratos ou abandono denuncie: (47) 3481-2121

Download das fotos em alta resolução
Carregando